Eis o novo Ford Escape; SUV deve brigar com o Compass no Brasil em 2020

Eis o novo Ford Escape; SUV deve brigar com o Compass no Brasil em 2020

  • 04/04/2019 16:12
  • Redação/Assessoria

A Ford lança nesta terça-feira (2) nos Estados Unidos a nova geração do Escape, SUV médio que deverá ser um dos próximos lançamentos da marca no Brasil.

Oficialmente, a fabricante diz que ainda estuda a possibilidade de trazer o carro para o Brasil. Mas, salvo alguma contra-indicação muito grave, o Escape deverá estrear em nosso mercado, sim.

Só que sua estreia ainda deve demorar. Segundo fontes do mercado, a Ford deverá lançar três novos SUVs no Brasil até 2021. Um deles será o Escape, via México ou Estados Unidos inicialmente. Depois, poderia ocupar a linha do Focus na Argentina que será desativada em maio.

O sinal mais evidente dessa perspectiva é o fato da Ford ter levado um grupo de seis jornalistas brasileiros a Detroit, incluindo QUATRO RODAS, para a pré-estreia do carro.

Ninguém dirigiu o Escape, mas foi possível conhecer o SUV em detalhes: abrindo e fechando portas, entrando, rebatendo bancos e ouvindo as apresentações dos técnicos da fábrica.

Visualmente, o Escape que chega à sexta geração é bem diferente dos antecessores, sempre inspirados no irmão maior Explorer, de linhas mais duras.

A Ford ainda não divulgou as medidas precisas do Escape, mas, para você ter uma ideia, seu porte é maior que o do Ecosport e menor que o do Edge.

Ficará, portanto, na medida para rivalizar com versões de topo de Jeep Compass, Volkswagen Tarek e outros SUVs de porte compacto-médio.

Antes, chegará o Territory, um SUV de tamanho próximo ao do Escape, mas tecnicamente mais simples, que foi mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo, em 2018, e deve estrear no final de 2019.

Ele virá importado da China, inicialmente, mas pode depois ter sua produção levada para a Argentina e manter o Escape num degrau acima, vindo da América do Norte.

Mas voltemos a falar do Escape. Sua plataforma é inteiramente nova: começa pelo conceito modular, que não considera apenas a base do carro, mas a arquitetura total e permite o desenvolvimento de outros produtos.

O exemplo mais próximo que temos de arquitetura modular é a plataforma MQB da VW que deu origem a modelos tão diferentes como o Virtus e o T-Cross, por exemplo.

Segundo a Ford, a nova base permitiu diversos avanços à sexta geração do Escape que ficou mais leve (90 kg), mais aerodinâmico, silencioso, com maior rigidez torcional (10%) e com mais recursos de segurança e conforto.

O Escape foi apresentado com três opções de motor: 1.5 Ecoboost (183 cv), 2.0 Ecoboost (253 cv) e 2.5 híbrido elétrico (200 cv de potência combinada). Sendo que o modelo híbrido pode ser do tipo híbrido convencional e híbrido plug-in.

Nas versões Ecoboost, o câmbio é sempre automático de oito marchas, que nato nas híbridas, a caixa é automática de dez marchas – a mesma do Mustang.

A tração pode ser 4×2 ou 4×4 do tipo All Wheel Drive, ou seja, com o torque sendo distribuído sob demanda.

 

  • Fonte: Paulo Campo Grande