MP quer que bebê indígena enterrada viva pela família vá para abrigo após deixar hospital em MT

MP quer que bebê indígena enterrada viva pela família vá para abrigo após deixar hospital em MT

  • 11/07/2018 09:55
  • Redação/Assessoria

Após deixar a Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá, onde está internada há mais de um mês, o Ministério Público Estadual (MPE) quer que a indígena enterrada viva pela família vá para um abrigo em Canarana, 838 km de Cuiabá.

 

A recém-nascida teve alta na terça-feira (10). A unidade aguarda um posicionamento da Justiça para os encaminhamentos.

 

Em junho, a mãe da bebê- uma adolescente de 15 anos, foi ouvida e disse que pretende ficar com a menina. O pai - que é de outra etnia, também foi ouvido e manifestou interesse em criar a filha.

 

A recém-nascida foi encontrada por policiais e passou seis horas debaixo da terra.

 

A avó do bebê, Tapoalu Kamayura, de 33 anos, e a mãe dela, Kutsamin Kamayura, de 57 anos, foram presas e teriam premeditado o crime. A mãe da bebê é uma adolescente de 15 anos.

 

Kutsamin alegou à polícia que enterrou a menina por acreditar que ela estivesse morta. As investigações apontaram que elas não aceitavam a criança pelo fato dela ser filha de mãe solteira e o pai ser de outra etnia.

 

As duas foram soltas e usam tornozeleira eletrônica por determinação da Justiça.

 

O Ministério Público Federal requisitou um estudo antropológico, que deve nortear a situação.

 

  • Fonte: G1 MT