Honda CR-V 2018: primeiras impressões

Honda CR-V 2018: primeiras impressões

  • 30/06/2018 09:40
  • Redação/Assessoria

Enquanto o HR-V segue na balada do sucesso no Brasil, seu “irmão maior”, o CR-V, não consegue um desempenho parecido. A chegada da nova geração do SUV pode mudar isso, se não em vendas, mas ao menos na imagem do carro.

 

Vendido na versão única, Touring, por R$ 179.990, o modelo não será um "best-seller" devido ao alto preço e também pelo número restrito de unidades para o país: são apenas 500 carros para este ano - ele é importado dos Estados Unidos.

 

De acordo com a Honda, o número é reduzido por causa da demanda maior pelo carro em mercados como americano, o que faz a disputa das filiais pelo veículo ser é alta. Por enquanto, a produção local, que poderia baratear o carro, não está nos planos.

 

Foram 6 anos desde as últimas grandes mudanças no CR-V, a 4ª geração do CR-V havia chegado ao Brasil em 2012 e depois foi renovado em 2015.


Evolução

Comparando com o anterior, a evolução do CR-V 2018 é bem grande. O carro ficou menos "tiozão" e ganhou novo motor 1.5 turbo, o mesmo do Civic Touring (o mais caro), mas um pouco mais potente, com 190 cavalos (16 a mais que o sedã).


Aliás, a plataforma também veio do Civic e do Accord, enquanto o visual se adaptou às linhas mais atuais da montadora japonesa. A dianteira lembra a do WR-V.

 

Alguns dispositivos tecnológicos também atraem, como a câmera no retrovisor direito, que mostra ampla visão do que está acontecendo na respectiva lateral e parte da traseira do veículo.

 

O modelo também possui o fechamento ativo da grade dianteira, que melhora a aerodinâmica do carro. Quando se atinge certo nível de resfriamento do motor, ela se fecha, reduzindo o arrasto.

 

Mesmo com esses itens, o CR-V ficou devendo o pacote de segurança Honda Sensing, disponível nos Estados Unidos, por exemplo, que não está no Brasil nem como opcional.

 

  • Fonte: G1